Matérias

Curiosidades

Aliança
Vem do latim alligare, "compor, ligar-se a". Já no português medieval significa um comprometimento mútuo, seja no sentido religioso, político ou jurídico. Na tradição bíblica, houve duas Alianças entre Deus e os homens: o Novo Testamento corresponde ao cristianismo (a Nova Aliança), enquanto o Antigo corresponde ao judaísmo (a Antiga Aliança). Acredita-se que o povo judeu transportava, em seu êxodo, uma arca com as Tábuas da Lei que Moisés recebeu no Monte Sinai, contendo os Dez Mandamentos - a legendária Arca da Aliança, que Indiana Jones encontra no filme Os Caçadores da Arca Perdida. A partir do séc. 13, aliança passa a significar também "laço matrimonial que une duas famílias", até que, alguns séculos depois, assume o seu significado atual de "anel de casamento".

Casamento
União legítima entre homem e mulher, vem de casar, curioso verbo que, ao que tudo indica, veio mesmo de casa, como se depreende pela antiga regência com que este verbo era empregado: no antigo sistema patriarcal, os pais casavam os filhos (em oposição a hoje, em que os filhos se casam), porque para isso eles tinham de ceder uma parte de sua propriedade (casa e terras) para o sustento e a moradia da nova família. Portanto, o antigo provérbio "quem casa, quer casa" não seria, como muitos pensam, um simples trocadilho para indicar que o novo casal precisa de privacidade, mas um resquício do antigo costume medieval.

Núpcias
É uma daquelas palavras que só empregamos no plural (como parabéns, condolências ou pêsames). Vem do latim nubere, "casar", de onde se derivou nuptiae, "bodas"; refere-se, portanto, ao momento em que o casamento é contraído, o que nos permite falar em marcha nupcial, noite de núpcias, leito nupcial. Na Biologia, emprega-se vôo nupcial para o vôo do acasalamento dos insetos.

Lua-de-mel
Há duas versões para sua origem: a primeira é que a expressão se refere ao antigo costume celta de fazer os recém-casados passarem um mês bebendo hidromel (uma espécie de vinho feito de mel). A outra, bem mais provável, atribui-lhe uma origem árabe, como o fez Voltaire, em sua obra Zadig: para assinalar a implacável deterioração que o tempo impõe à vida dos casais, afirma que a lua-de-mel é seguida pela lua-de-absinto (bebida muito amarga, feita à base de losna) - o mesmo efeito de contraste que a sabedoria popular obtém quando afirma que a lua-de-mel é seguida pela lua-de-fel.